Parcerias

01 junho 2011

Sem opção vai Sepp mesmo

eleição da Fifa com Blatter (Foto: AFP)

Apesar do clima de tensão provocado pelos escândalos e denúncias de corrupção na Fifa durante as últimas semanas , além da tentativa da Federação Inglesa de adiar a votação, o suíço Joseph Blatter, de 75 anos, foi reeleito para mais quatro anos como presidente da entidade máxima do futebol mundial. Esse será o quarto mandato de Blatter à frente da entidade, onde está desde março de 1998.

Nas eleições desta quarta-feira, representantes das 208 federações eram chamados em ordem alfabética pelo secretário-geral da entidade, Jêróme Valcke, de dois em dois, em uma cabine. Ao todo, foram 203 votos, o que significa que apenas cinco federações não votaram ou estiveram ausentes no evento. Duas delas, São Tomé e Brunei, não puderam participar pois não tiveram campeonatos nacionais na última temporada. Blatter se reelegeu com 186 votos, o que significa mais que 50% mais um, do total de votantes, número necessário para a vitória.

Apesar de toda a tecnologia de que a Fifa dispõe, todo o processo foi feito em papéis. Além disso, os votos foram contados um a um. Após longos minutos de silêncio, saiu o resultado que todos já esperavam: mais uma vitória do "capitão" Blatter.


O suíço era o único postulante ao cargo, já que o presidente da Confederação Asiática de Futebol (AFC), o qatare Mohammed Bin Hamman, que disputaria a presidência com ele, retirou sua candidatura antes de ser suspenso pela Fifa (entenda mais abaixo).



Visivelmente emocionado, Blatter agradeceu a todos os membros dos Comitês da Fifa e aos que acreditaram na sua reeleição, acrescentando ainda que a base da entidade é sólida.

- Gostaria de agradecer pela confiança. Agradeço do fundo do meu coração. Juntos teremos mais quatro anos, providos por Deus que me deu a vida, a energia e a força para continuar no caminho, fazendo nosso trabalho. Estou feliz que fomos aptos a trazer a Fifa à solidariedade, unidade, que nos possibilitou, com coragem suficiente e pensamentos positivos, caminhar em frente. Nós vamos recolocar o nosso navio no curso certo, em águas claras, transparentes. Precisaremos de algum tempo, não podemos fazer isso de um dia para o outro, mas a nossa pirâmide está intacta, porque sua fundação é sólida, tão sólida quanto o nosso jogo. Eu gostaria simplesmente de dizer que estou tocado e honrado, e agradecê-los. Mas, ao mesmo tempo, é um desafio para mim, e eu o aceito. Vamos juntos. Algo maravilhoso aconteceu aqui hoje! Vamos, vamos! Obrigado! - comemorou.

"Crise" na Fifa
Nas últimas semanas, a Fifa enfrentou uma série de denúncias e escândalos. Primeiro foram as acusações de que quatro membros do comitê executivo da entidade, entre eles o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, teriam pedido favores para a escolha da Copa do Mundo de 2018. As denúncias foram averiguadas e, segundo a Fifa, os envolvidos foram inocentados.


Pouco tempo depois, foi a vez de Mohammed bin Hammam, presidente da Confederação Asiática de Futebol e ex-concorrente à presidência da Fifa, e do presidente da Concacaf e vice da Fifa, Jack Warner, serem acusados de comprarem votos e subornar pessoas para ajudar na campanha de Hammam. Ambos acabaram suspensos pelo comitê de ética da Fifa.

Revoltado com a punição, Warner, que havia prometido dias antes da reunião do comitê revelar um “tsunami” de outros escândalos, disparou denúncias. Primeiro, acusou Blatter de ter feito uma suposta doação de US$ 1 milhão de dólares (R$ 1,6 milhão) à Concacaf para, em troca, receber apoio na sua reeleição. Depois, revelou um e-mail enviado a ele por Jérome Valcke, secretário-geral da Fifa, no qual o dirigente fala que o Qatar comprou o direito de sediar a Copa de 2022.

Valcke negou veementemente as acusações e disse que foi mal interpretado. Blatter, por sua vez, convocou uma coletiva na última segunda-feira e, de forma evasiva, rebateu as denúncias dizendo que a Fifa não estava em crise (Saiba mais no vídeo acima).

0 comentários:

Postar um comentário